quinta-feira, dezembro 31, 2009


Image and video hosting by TinyPic

domingo, dezembro 13, 2009

Relatório da Oficina de Língua Portuguesa
Gestar II


Deus livrará ao necessitado quando
clamar, como também ao aflito e ao que não
e do aflito, e salvará as almas dos necessitados.
tem quem o ajude. Compadecer-se-á do pobre
Libertará as suas almas do engano e da
violência, e precioso será o seu sangue aos olhos dele.
Salmos 72: 12-14

           A Oficina 09 das unidades 17 e 18 do Caderno de Teoria e Prática 05 de Língua Portuguesa, realizada no dia 28/08 2009, na E.E.E.F.M. “Capitão Sílvio de Farias, contou com a presença de poucos cursistas. Por motivos que ainda desconhecemos alguns não compareceram. Lamentamos pois as discussões e as trocas de experiências têm sido proveitosas e com certeza o ausente, perdeu de contribuir com suas vivências e experiências durante o processo do programa Gestar.

          Iniciamos assistindo a mensagem “Descansa” e seguido realizamos a retomada, sendo o assunto: Estilística e Coerência levou o grupo a um momento de interação e participação, pois visualiza vários procedimentos para a interpretação e compreensão do texto verbal e não verbal, a interação dos interlocutores, o conhecimento prévio do leitor ajudando-o no processo de atribuir um sentido ao texto.

          Ouvimos os depoimentos dos cursistas sobre as atividades realizadas com os alunos em sala de aula e percebemos que tanto eles, cursistas, como os alunos envolvidos têm recebido bem a proposta do programa. Além de outros profissionais da escola que casualmente se envolve com estas atividades.  Deixando claro que os alunos se envolvem com prazer e até cobram do professor outras atividades iguais às que foram aplicadas.

          Percebemos, também, que os professores sentem sozinhos na aplicação de suas tarefas e que
até mesmo recursos didáticos não lhe são fornecidos, pois as escolas disponibilizam todo o material para as primeiras séries do Ensino Fundamental, deixando as últimas séries sem recursos para desenvolver os trabalhos a contento.

          Vimos que com poucas exceções, a maioria das escolas não investe nas últimas séries do Ensino Fundamental o que tem deixado uma lacuna muito grande, pois todo o conhecimento adquirido nas séries iniciais, perdem-se ao longo dos séries finais, fazendo que o aluno chegue ao Ensino Médio despreparado.

         A proposta de atividade para a parte prática da oficina teve como base de análise, um texto publicitário de Furnas, veiculado em vários canais da mídia escrita. Partindo da articulação entre as informações do texto e experiências prévias que o leitor tem a respeito do assunto, relacionar os sentidos construídos pela linguagem verbal e não verbal, os conceitos e classificações desenvolvidos no decorrer das atividades realizadas e os efeitos de sentido do texto como um todo, articuladas as partes em uma unidade textual.

          Os cursistas demonstraram segurança nesse tipo de atividade, o que foi percebido ainda no momento dos depoimentos da aplicação dos avançando na prática. E sendo o que tínhamos para expor encerramos nosso registro na esperança de que a cada dia possamos crescer no conhecimento, na sabedoria e na graça do Nosso Grande e Maravilhoso Deus.

Jaru, 28 de agosto de 2009.

Ana Raquel dos Santos
Formadora de Língua Portuguesa
Gestar II

Image and video hosting by TinyPic
            Boletim Mensal de Atividades da Divisão de Programas de Formação Continuada
 
R E L A T Ó R IO

          E disse Deus: Façamos o homem à nossa
 imagem, conforme a nossa semelhança; e domine 
 sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus,
 e sobre o gado,e sobre toda a terra, e sobre todo
 o réptil que se move sobre a terra. E criou Deus
 o homem à sua imagem:” Gêneses 1:26-27




         A oficina 10, do Caderno de Teoria e Prática 05, unidades 19 e 20 aconteceu na Representação de Ensino da Seduc de Jaru, no dia 28 de outubro de 2009, com as turmas 1 e 2. Como sempre a instalação dos recursos de multimídia retardou o início, o que em muito desagradou, principalmente os cursistas que ao final registraram nas avaliações. Outro fator que lamentamos é a ausência de vários cursistas, que por motivos desconhecidos, não compareceram. É uma pena porque as discussões e as trocas de experiências têm sido valiosas e de grande proveito.
         Os trabalhos foram direcionados com o seguinte roteiro:
         - Motivação: - Vídeo para reflexão “Menestrel” e “ O saber e o sabor”;
         - Retomada: - revisão dos tópicos fundamentais sobre a coesão textual, mecanismo linguístico que articula as informações, sendo fator de textualidade solidário à coerência. Para tal, os elos coesivos ou elementos linguísticos costuram as ideias orientando a retomada de elementos na interpretação de outros referentes no mundo textual. Da mesma forma que a coesão referencial, a sequêncial mantém laços de solidariedade com a coerência na construção da tessitura textual, não desconsideradas a situação sócio-comunicativa e a contextualização como fenômenos linguísticos que colaboram nas relações lógica do texto como “pistas” de textualidade, e situação sócio-comunicativa.
         - Depoimentos: os professores comentaram sobre o trabalho feito com os alunos seguindo as orientações das unidades em estudo; avançando na prática e que sempre que realizam as atividades propostas percebem entusiasmos nos alunos e que eles próprios sentem mais motivados. Não deixando de considerar as dificuldades encontradas pela falta de recursos materiais e sobre carga de trabalho, pois com o número de aulas semanais o tempo dispensado para o planejamento e preparo dos materiais didáticos e minuto.
           - Atividade prática e socialização: A atividade foi realizada oralmente, discutindo, tanto o texto publicitário sugerido pelo Caderno de Teoria e Prática, como outros veiculados pela mídia falada ou escrita, com linguagem verbal e não-verbal presentes no cotidiano.
            - Avaliação da oficina: Como é praxe, as cursistas avaliaram a oficina, desta vez por escrito, em suas declarações percebe que no trabalho realizado houve pontos que consideraram negativos, mas os pontos positivos prevaleceram. Este momento é muito importante dentro da oficina, pois ajuda aprimorar o trabalho, pois norteiam os rumos a serem tomados na busca por melhoria.
            - Encerramento: como ficou algumas pendências, ou seja, sugestões para implementar as atividades em sala de aula, combinou-se que marcaríamos uma nova data para outro encontro, antes dos estudos do Caderno de Teoria e Prática 06, que, provavelmente só acontecerá no próximo ano, haja vista, o acúmulo de trabalho nas escolas para o encerramento do ano letivo.
            Nada mais a constar encerra-se este depoimento.
           Jaru, 28 de outubro de 2009.

      Ana Raquel dos Santos
Formadora de Língua Portuguesa
               Gestar II

Image and video hosting by TinyPic

           Boletim Mensal de Atividades da Divisão de Programas de Formação Continuada


R E L A T Ó R I O

            A oficina 09, do Caderno de Teoria e Prática 05, unidades 17 e 18 com os cursistas da 2ª turma, aconteceu na Representação de Ensino da Seduc de Jaru, no dia 07 de outubro de 2009. Foram seguidos os passos sugeridos para a realização da oficina, a saber:

-Motivação: mensagem Professores Apaixonados;

-Retomada: revisão dos tópicos importantes da linguística e coerência na construção de sentidos do textos verbais e não-verbais;

-Depoimento: relato dos professores sobre as atividades desenvolvidas em sala de aula referentes às unidades em estudo (a cada dia melhores);

-Atividade prática: análise da coerência observada na linguagem verbal e não-verbal (atividade de grupo);

-Socialização da atividade realizada: em plenária os grupos fizeram o relato da análise realizada em grupo;

-Avaliação da oficina: os cursistas avaliaram o desenvolvimento dos trabalhos realizados dando opiniões e sugestões para melhoria dos próximos trabalhos;

-Encerramento: orientação para a próxima oficina, conteúdo, data e local; frisando a importância da presença nas seções presenciais, o estudo das unidades, a aplicação do avançando na prática, a sistematização do trabalho desenvolvido e entrega deste relatório. Salientando que todo esse processo faz parte da carga horária do curso e que para a certificação precisa-se o cumprimento de 90% desta.

      Sendo o que se tem a expor encerra-se  este relato.
                                                                                              
  Jaru, 07 de outubro de 2009.

       Ana Raquel dos Santos
 Formadora de Língua Portuguesa
                Gestar II

Image and video hosting by TinyPic
Relatório da Oficina 08, unidades 15 e 16 do TP 04 de Língua Portuguesa do Gestar II – 2ª Turma (2009/2010)

Pois, o justo será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas,
a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão,
e tudo quanto fizer prosperará. Sl. 1: 3

       Reunidos, no dia 14 de setembro de 2009, na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Capitão Sílvio de Farias”, Os professores de Língua Portuguesa cursistas do Programa de Formação Continuada participaram da Oficina 08 do Caderno de Teoria e Prática de Língua Portuguesa. As unidades estudadas para a oficina tratavam dos seguintes temas:
     15–Mergulho no texto
     16–A produção textual – Crenças, Teorias e Afazeres

     A mensagem inicial para a motivação foi “A lagartixa” que leva a repensar as atitudes tomadas em relação aos procedimentos e às ações da convivência, tanto profissional como pessoal. Nem sempre somos coerentes nos julgamentos que fazemos, pois tendemos realizar a análise das situações pelo lado negativo. Dando destaque às coisas ruins e desvalorizando as boas.

      Na retomada em “Mergulho no texto” salientou-se que nem sempre os métodos usados são eficientes para levar o aluno à compreensão do texto. Sendo que vários fatores podem distanciar o aluno do conhecimento, e diversas situações e possibilidades de estudos foram sugeridas para o alcance das habilidades de leitura e escrita dos diversos Gêneros Textuais.

      Para a produção textual, mencionada na unidade seguinte, observa-se que as crenças sobre o ensino da língua, por vezes, prejudicam a aprendizagem e lista os cuidados que devem levar em conta no momento do trabalho com a leitura e a produção textual. O profissional despido dos conceitos e preconceitos deve repensar seu trabalho para tornar os conteúdos de leitura e escrita significativos para o aluno. Levando em consideração o conhecimento prévio do aluno.

      Os professores cursistas falaram sobre as atividades da lição de casa, o avançando na prática, constatando, mais uma vez, que a metodologia orientada pelo programa desperta o interesse e motiva tanto o professor quanto o aluno.

      Em grupo realizou-se a atividade prática da oficina e diversas situações foram discutidas e socializadas. As propostas para o estudo dos Gêneros Textuais elencadas por cada grupo, multiplicaram no momento da socialização e as possibilidades de estudo não se esgotam.

      A oficina chegou ao seu término com as orientações para a próxima, que, seguindo o cronograma deverá acontecer no dia 07-10=2009, na REN/SEDUC.

     Jaru, 15 de setembro de 2009.


Prof. Ana Raquel dos Santos –
Formadora de Língua Portuguesa
Gestar II


Image and video hosting by TinyPic:

sábado, dezembro 12, 2009

RELATÓRIO DE OFICINA:

      Reunidos na sala de multiuso da E.E.E.F.M “Capitão Sílvio de Farias” , em 30/06/2009, realizamos a oficina 08 do Caderno de Teoria e Prática 04 unidades 15 e 16, com os cursistas da 1ª turma (2007/2009) . Como houve atraso de alguns cursistas, começamos pela parte III, com os que estavam presentes formamos grupos e realizamos o planejamento seguindo as instruções dadas pelo roteiro da oficina. A imagem foi analisada e as questões foram respondidas. Houve a socialização e após as discussões, reformularam-nas para aplicar aos alunos.

      Voltando aos grupos foi elaborado o plano de aula, percebemos que ainda há resistência quanto a elaboração detalhada do plano de aula. Encerrada a socialização dos planos de aula, passamos aos relatos das atividades dos Avançando na Prática.

      Algo nos surpreendeu, quando falamos que ouviríamos só dois relatos e que os outros só contribuiriam acrescentando comentários que julgassem oportunos, mas a proposta não foi bem aceita e quase todos os cursistas fizeram seus relatos. Nos depoimentos, observamos que as atividades têm boa aceitação dos alunos e que eles gostam muito quando aula é dentro da proposta do Gestar.

      Após fizemos a retomada do conteúdo estudado, aproveitando para enfocar, além do conteúdo, destacar àqueles que dedicaram-se na construção das unidades estudadas e aos autores e autoras dos textos usados para ilustrar cada atividade; textos que serviram como suporte para as propostas das unidades 15 e16 e o Ampliando nossas Referências.

      As professoras Maria Antonieta Antunes Cunha e Ângela Kleimam foram apresentadas pelos nossos professores de graduação. Seus livros faziam parte das referências bibliográficas do curso de Letras da Universidade Federal de Rondônia, pelo menos naquela época. A professora Silviane Bonaccorsi Barbato conhecemos através do Programa Gestar II e pouco sabemos sobre ela, a não ser alguns dados encontrados na internet. Porém, suficiente para perceber que seu trabalho apóia-se em experiências vivenciadas por ela nos cursos de graduação, especializações (mestrado e doutorado) entre outros, e na formação de professores.

      Essa iniciativa se ateve porque concordamos que conhecendo nosso interlocutor, compreendemos melhor o que lemos. Portanto, buscamos nas páginas da internet informações sobre cada um e repassamos esses conhecimentos através de textos, fotos e outros apresentados em painéis.

      Cremos que tais informações enriquecem o trabalho, pois de certa forma, aproximam emissor e receptor. Ajudam o cursista perceber que os cadernos foram escritos por professores que apoiaram-se em vivências, tanto teórica como prática, e sabem o que escrevem, porque escrevem e viveram o que escrevem em vários eventos, momentos e lugares em que se envolveram com a prática da escrita e leitura. E isso reforça a necessidade de apropriar-mos destes conhecimentos e adequá-los a nossa prática diária.

Olhai para as aves do céu, que nem semeiam,
nem segam, nem ajuntam em celeiros;
e vosso Pai celestial as alimenta.
Não tendes vós muito mais valor do que elas?
Mateus 6: 26

Jaru, 30 de junho de 2009.



Ana Raquel dos Santos

Formadora de Língua Portuguesa

Gestar II
Image and video hosting by TinyPic
RELATÓRIO

     Bem-aventurado o homem que põe
  no SENHOR a sua confiança, e que
  não respeita os soberbos nem os que
 se desviam para a mentira.

     Muitas são, SENHOR meu Deus,
 as maravilhas que tens operado para
 conosco, e os teus pensamentos não
 se podem contar diante de ti; se eu
 os quisera anunciar, e deles falar, são
 mais do que se podem contar.
Salmo 40: 4,5


               Como previsto, a oficina do Gestar II com os cursistas da 1ª turma (2008), aconteceu no dia 19 de maio de 2009. Para início, foi apresentada uma mensagem de título Casa Abençoada que levou a reflexão sobre as atitudes tomadas em nossas vidas e casas que trazem conseqüências, muitas vezes, gravíssimas. Portanto, devemos refletir bem antes de tomar algumas decisões.

               Dando prosseguimento, fez-se a retomada das unidades 13 e 14 do Caderno de Teoria e Prática 04 e como a maioria dos presentes não veio na oficina anterior, estavam sem o material e não tinham estudado, portanto foi necessário fazer uma análise mais profunda do tema. Apenas três curstistas que participaram da oficina anterior estavam presentes e relataram os trabalhos realizados com seus alunos, mas apenas uma havia concluído o relatório, que foi entregue com vídeo e fotos que registraram sua proposta pedagógica.

               Os cursistas que ainda não haviam recebido o material, após recebê-lo, foram orientados a realizar os estudos das unidades anteriores (13 e 14) e as unidades 15 e 16, bem como o Avançando na Prática de cada uma das etapas, ou seja, a cada duas unidades escolher uma atividade para aplicar aos alunos e, se possível registrar com fotos. Lembrando sempre de anexar atividades dos alunos ao relatório que será entregue ao formador no dia da oficina.

               A próxima oficina, que estava marcada para o dia 19 de junho, foi desmarcada porque coincidia com a feira de empreendedorismo e conhecimento da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Plácido de Castro”, portanto será escolhida uma nova data e comunicada para as escolas.

               Sendo o que tinha a registrar, encerra-se o relato.



Jaru, 19 de maio de 2009



Ana Raquel dos Santos

Formadora de Língua Portuguesa

Gestar II

Image and video hosting by TinyPic

R E L A T Ó R I O D A S O F I C I N A S 06 E 07

     Tu és o lugar em que me escondo;
tu me preservas da angústia;
tu me cinges de alegres cantos de livramento.
Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho

que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos.
Salmo 32: 7,8



      A Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio "Capitão Sílvio de Farias" continua sendo o nosso palco. Temos recebido o apoio das Gestoras da Instituição para a Realização das nossas oficinas de Língua Portuguesa do Gestar II. Sempre solicitas, e dentro das Possibilidades, Colocam a nossa disposição o espaço ea tecnologia Necessária para a Realização dos trabalhos. Aproveitamos este espaço para agradece-las.
      Continuando o relato, no dia 18 de agosto de 2009, realizamos as oficinas das unidades 11 e 12 do Caderno de Teoria e Prática 03 e 13 e 14 do Caderno de Teoria e Prática 04 com a 2 ª Turma (2009/2010). Mas falando nisso, faremos uma pausa para mandar um recado para umas pessoas muito especiais e que não se fizeram presentes, cremos ser por motivo justo, mas esperamos que não seja grave, eo que temos é para dizer a eles:


      Olá, quxridos xducadorxs,
      Apxsar dx minha máquina dx xscrxvxr SXR um antigo modxlo, funciona BXM, com xxcxção dx uma txcla. Há 42 txclas BXM qux funcionam, mxnos uma, x isso faz uma grandx difxrxnça.
      Txmos o cuidado para qux nosso grupo sxja como Xsta máquina dx xscrxvxr x qux todos os sxus mxmbros trabalhxm como dxvxm.
      Comprxxndemos qux, para um grupo podxr progrxdir xficixntxmxntx, prxcisa da participação ativa dx todos os sxus mxmbros.
      Sxmprx qux vocx pxnsar qux não vocx prxcisam dx, lembrx-sx da minha máquina vxlha dx xscrxvxr x diga a si próprio: "Xu sou uma das txclas importantxs nas nossas atividadxs OS X mxus sxrviços são muito nxcxssários".
      Xstamos xspxrando por vocx, vocx faz muita falta!
      Com amor,
     A formadora.


      Pois é, o que não comparece Cursista empobrece muito o trabalho, deixamos de aprender com suas experiências vivenciadas Durante a execução dos trabalhos com os alunos, o avançando na prática, deixa vagos o espaço que sua presença preencheria. E, com certeza, contribuiu e não perdeu de acrescentar em sua prática, novas experiências vivenciadas pelos outros cursistas. Torcemos por você e queremos vê-lo na próxima oficina, já que acreditamos que sua ausência não seja o desânimo tirando-lhe o desejo de continuar compartilhando desse momento mágico de estreitamento de laços e troca mútua e atualização de conhecimentos.
      Lamentamos o fato, mas a oficina transcorreu dentro do pessuposto, e como o computador tentou deixar-nos na mão já no início, começamos pela escolha de um Cursista que faria o registro das atividades realizadas não decorrer da oficina, mas como só agora atentamos para essa atividade, pedimos que esse iniciasse relembrando alguns fatos marcantes das oficinas passadas. E para essa tarefa foi escolhida a professora Sueli peggo, que um pouco relutante aceitou. Ouvimos os depoimentos dos professores  mais  uma vez  percebemos o êxito alcançado pela  capacitação e que a metodologia usada pelo programa envolvem o aluno na construção do conhecimento e que eles têm recebido muito bem a proposta. Este momento também  ajudou no esclarecimento de algumas dúvidas, mas mesmo assim foi feito uma retomada para que nada ficasse obscuro.
      Assim passamos para uma oficina seguinte, salientando que os depoimentos desta oficina foram realizados no mesmo momento que fizemos os relatos da outra. Na oficina usamos como motivação e descontração o slide "A professora de Língua Portuguesa" o que agradou os cursistas.
analisados os objetivos, sendo e fizemos uma retomada e a discussão sobre o assunto das unidades,  com  a hora um tanto avançada e percebendo que os cursistas estavam ficando cansados e dispersos; preferimos deixar para encerrá-la no próximo encontro. Não podemos deixar de registrar que neste dia contamos com uma presença da Coordenadora Pedagógica que durante boa parte da primeira oficina permaneceu conosco. Somos gratos pela sua presença e esperamos que tenha sentido bem em nosso meio e volte sempre.
Nada mais a registrar, Encerramos agradecidos a Deus por mais essa vitória.

 Jaru, 18 de agosto de 2009.

        Ana Raquel dos Santos
Formadora de Língua Portuguesa
               Gestar II
Image and video hosting by TinyPic

sexta-feira, dezembro 11, 2009

Em Ji-Paraná




Image and video hosting by TinyPic

quinta-feira, dezembro 10, 2009

Autobiografia


          Nasci em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais , no dia 13 de dezembro de 1966, sou filha de Geraldo da Conceição Viana e Marilene Pinheiro Viana, já falecida. Tenho quatro irmãos, dois mais velhos Euler Roni e Wagner, sou a filha do meio, e os dois irmãos mais novos, Rogério e Luciana.

          Considero que, grande parte do que sou, devo a minha família, que com união, carinho e amizade ajudaram-me a ser o que sou, uma pessoa de fé, muito ligada a família,que procura manter muitos valores adquiridos nessa convivência familiar.

          Morei em Belo Horizonte durante 24 anos, até que eu me casei e mudei para Rondônia, especificamente, Jaru. Tive três filhos, Isabela, atualmente com 16 anos, Antonio Junior, 14 anos e Gabriela, 9 anos. Foi uma mudança radical em minha vida, a mudança de cidade, a vida de casada, mas a gente se adapta a quase tudo, foi o que aconteceu comigo, hoje posso dizer que gosto muito do lugar onde vivo, fiz muitos amigos, tenho o meu trabalho.

          Fiz o magistério em Belo Horizonte, onde trabalhei em uma escola particular de educação infantil e séries iniciais por três anos, considero que essa experiência contribuiu muito para minha pratica pedagógica, pois foi a minha base profissional, embora neste tempo sempre vi a necessidade da formação continuada, então procurei e ainda busco participar de palestras, cursos e encontros na área da educação. Porque acredito que estamos sempre aprendendo. Hoje sou graduada em pedagogia, tenho pós graduação em psicologia escolar com ênfase em psicopedagogia. Atualmente, estou como coordenadora de alguns Programas de formação continuada, Gestar I e Gestar II (Gestão da Aprendizagem Escolar), PRALER ( Programa de Apoio a Leitura e Escrita).

          Sou uma pessoa inicialmente tímida, retraída até conhecer o ambiente onde me encontro, me considero uma pessoa reservada, sensível, sincera, amiga, principalmente uma pessoa de fé, Gosto de fazer caminhada, aproveito esse momento, para pensar em minha vida, o que precisa melhorar, é uma preocupação que sempre caminha comigo. Tenho um pensamento sempre comigo, (desconheço o autor): Há sempre novas possibilidades...” Acredito fielmente nisto, há sempre novas possibilidades de mudar aquilo que não está bom , de se abrir para o novo, seja na vida particular como na vida profissional. Sempre haverá uma luz, indicando um novo jeito de caminhar.O que é preciso é estarmos atentos para este olhar, quando se fizer necessário.

                                                                                                                                 Valéria Cristina
Image and video hosting by TinyPic



Memorial de leitura

          Ler significa reler e compreender, interpretar. Cada um lê com os olhos que tem. E interpreta a partir de onde os pés pisam. Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Para entender como alguém lê, é necessário saber como são os seus olhos e qual é a sua visão de mundo. Isso faz da leitura sempre uma releitura.
Leonardo Boff


          Considero-me uma pessoa privilegiada com relação as minhas experiências de leitura. Aprendi a ler em uma escola da rede estadual em Belo Horizonte, Escola Padre Mathias, quem me alfabetizou foi a professora Ligia, era uma professora calma, lembro-me dela pegando em minha mão, ainda sem coordenação motora para escrever algumas sílabas, lembro-me também de toda turma cantando através da régua que deslizava no quadro negro o ‘ba-be-bi bo bu”, mas foi assim, que aprendi a ler.

          Acredito que não foi o método em si responsável pela minha alfabetização, o que contribuiu de maneira significativa, foi a interação da professora com a turma, o carinho, a afetividade, a vontade de aprender para mostrar para ela que eu já sabia.

          Quando aprendi a ler, foi uma alegria, foi uma descoberta que me marcou, eu viajava nos livros, os primeiros eram as literaturas infantis, vale ressaltar que os meus pais foram meus incentivadores, que faziam questão de comprar todos os tipos de livros e deixar a minha disposição.

          Quando entrei na adolescência, os favoritos eram os romances da série Júlia Bianca e Sabrina, foto novela, Polyana, O Pequeno Príncipe, série Vaga-lume, Sidney Sheldon e Agatha Christie.

          Hoje vivencio outras leituras algumas prazerosas, outras nem tanto, mas leio pela necessidade que tenho de informação, mas vejo que a minha experiência de leitura contribuiu para o meu amadurecimento e critérios com relação às escolhas de obras. A professora e os meus pais tiveram uma participação imprescindível o que fez a diferença para me tornar uma leitora ativa.

Valéria Cristina

Image and video hosting by TinyPic


RELATÓRIO


GESTAR II
GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR


COORDENADORA: VALÉRIA CRISTINA PINHEIRO LAGE

FORMADORA DE LÍNGUA PORTUGUESA: ANA RAQUEL DOS SANTOS




          No início do ano em curso nos reunimos para organizarmos os cronogramas de previsão/execução para o desenvolvimento das oficinas.


          Realizamos uma reunião com diretores e supervisores das escolas que implementaram o Programa ,com o intuito de mostrar a importância do mesmo e do envolvimento de todos os gestores das instituições de ensino, para que o Programa possa ser desenvolvido de forma que abrange todo o corpo docente, refletindo assim em melhoria da qualidade do ensino, enfatizando que o aluno é o foco principal para que ocorra a transformação do saber, de maneira contextualizada, onde o educando possa fazer uso desses conhecimentos em sua vida social.



          Quanto as oficinas, estão acontecendo na Escola “Capitão Silvio de Farias” na sala de
multiuso. Estamos com duas turmas, uma que iniciou ano passado, e uma turma que iniciou este ano, ressaltando que com esta turma o trabalho está sendo desenvolvido conforme orientação da professora Ormezinda Maria Ribeiro – (Aya Ribeiro).



          No início das oficinas encontramos algumas dificuldades devido a ausência de muitos professores cursistas, o que nos motivou a marcar outra oficina para os faltosos. Mas mesmo assim, percebemos a resistência de alguns gestores, dificultando a dispensa dos mesmos.


          Mas não estamos desanimadas, aos poucos vamos quebrando algumas barreiras, percebemos que ao longo do semestre temos caminhado de maneira positiva,sentimos que os nossos cursistas estão demonstrando através da prática em sala de aula, como a formação continuada tem sido de grande valor e apoio em suas práticas em sala de aula.


          Realizamos com os professores cursistas uma oficina de psicopedagogia onde foi possível refletir a Identidade pessoal e profissional do professor.


                                                                                                                  Valéria Cristina
Image and video hosting by TinyPic
Relatório


           Foi realizado o encontro de formadores e coordenadores do Gestar II de Língua Portuguesa e Matemática do ensino fundamental do estado de Rondônia, em Porto Velho do dia 30 de março ao dia 04 de abril de 2009, no hotel Rondon. Houve a cerimônia de abertura, onde estavam presentes várias autoridades na área da educação, bem como a representante do MEC Ana Paula e os professores da UNB, formadores de Língua Portuguesa e Matemática que trabalharam com grupo presente no evento durante a semana. Tivemos a honra de receber a professora Ormezinda Maria Ribeiro – Aya Ribeiro como nossa formadora de Língua Portuguesa, na oportunidade a mesma expôs como o trabalho seria realizado, entregou uma apostila a todos onde constavam as atividades que seriam propostas durante a semana.

           Os trabalhos foram realizados em grupo, onde foi possível a interação com os colegas de outros municípios, a troca de experiências relacionadas à prática educativa e a socialização dos trabalhos desenvolvidos por cada grupo.

           Vale ressaltar que a professora Aya Ribeiro conduziu com sabedoria, dinamismo cada atividade proposta, orientando cada grupo quando necessário e fazendo as colocações oportunas  durante as apresentações dos grupos, o que contribuiu e enriqueceu cada momento.

           Segue abaixo  uma das atividades que foram trabalhadas durante a semana.

           1. leitura do texto 08: através do mesmo texto, cada grupo produziu um texto analisando as especificidades do interesse de cada um no sentido de vender a casa, comprar, o tombar, o roubar e invadir.

           Os dois garotos correram até a entrada da casa. “Veja, eu disse a você que hoje era um bom dia para brincar aqui”, disse Eduardo. “Mamãe nunca está em casa na quinta-feira”, ele acrescentou. Altos arbustos escondiam a entrada da casa; os meninos podiam correr no jardim extremamente bem cuidado, “ Eu não sabia que sua casa era tão grande”, disse Marcos. “É , mas ela está mais bonita agora , desde que meu pai mandou revestir com pedras essa parede lateral estava vazia exceto pelas três bicicletas com marchas guardadas aí.”

          Eles entraram pela porta lateral, Eduardo explicou que ela ficava sempre aberta para suas irmãs mais novas entrarem e saírem sem dificuldade.

          Marcos queria ver a casa, então Eduardo começou a mostrá-la pela sala de estar. Estava recém pintada, como o resto do primeiro andar. Eduardo ligou o som: o barulho preocupou Marcos. “ Não se preocupe, a casa mais próxima está a meio quilômetro daqui”, gritou Eduardo. Marcos se sentiu mais confortável ao observar que nenhuma casa podia ser vista em qualquer direção além do enorme jardim.

          A sala de jantar, com toda a porcelana, prata e cristais, não era lugar para brincar: os garotos foram para a cozinha onde fizeram um lanche.

           Eduardo disse que não era para usar o lavabo porque ele ficara úmido e mofado uma vez que o encanamento arrebentara.

           “ Aqui é onde meu pai guarda suas coleções de selo e moedas raras”, disse Eduardo, enquanto eles davam uma olhada no escritório. Além do escritório, havia três quartos no andar superior da casa.

            Eduardo mostrou a Marcos o closet de sua mãe cheio de roupas e o cofre trancado onde havia jóias. O quarto de suas irmãs não era tão bonito quanto o de seus pais, que estava revestido de mármore, mas para ele era a melhor coisa do mundo.

(Traduzido e adaptado de Pitchert, J.& Anderson, R. Taking “ different perspectives on a story, Journal of Education Psychology, 1977, 69).  (As  atividades estão no portfólio de um dos componentes do grupo,)


RELATÓRIO DO 2° ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO DO GESTAR II



LÍNGUA PORTUGUESA EM JI-PARANÁ/RO

          No dia 10 ao dia 14 de agosto aconteceu o 2° encontro do Gestar II de Língua Portuguesa, ministrado pela professora Aya Ribeiro, no município de Ji-Paraná, Hotel Maximu’s. Assistimos ao filme “O Saber e o sabor” que através de depoimentos e opiniões de alguns autores, foi possível refletir a importância de despertar o gosto do aluno pelo aprender, e que esta aprendizagem só tem sentido se realmente for significativa para o aluno.

          A professora informou a todos os formadores e coordenadores presentes a pauta do encontro da semana e sobre os critérios para a entrega do certificado da capacitação bem como a questão da bolsa para os formadores.

          Os formadores tiveram a oportunidade de relatarem sobre o trabalho que estão desenvolvendo nos municípios, os entraves e os avanços. O interessante foi perceber visivelmente a unanimidade dos colegas com relação à credibilidade do Programa, o empenho e o comprometimento de todos no sentido de procurar fazer com que o Programa realmente aconteça da melhor maneira possível, fazendo a diferença na prática da sala de aula dos professores cursistas.

          Durante a semana, foi realizado diversas atividades em grupo, bem como assistimos o filme “Vidas em Português” onde os formadores fizeram suas considerações com relação ao mesmo.

          Como sempre, o encontro foi muito agradável, tanto por parte dos colegas, como pela professora Aya que conduziu os trabalhos. São momentos assim que nos motivam, fazendo a diferença em nossa profissão, tornando-nos mais comprometidos em busca de uma educação de qualidade.

Valéria Cristina



 Image and video hosting by TinyPic

Foll Rolh




Image and video hosting by TinyPic

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Atividades da Escola Primavera









Image and video hosting by TinyPic

Jornal da Escola Plácido de Castro



Image and video hosting by TinyPic
Atividades Realizadas em oficinas pedagógicas
Analise do texto “O Salário Mínimo” de Jô Soares.


Grupo 01 – Defender a tese de que é um trabalho escolar
Leitura e Análise do texto:

_ A citação do gênero textual: composição – O Salário Mínimo

_ O assunto discutido na escola, até mesmo por alunos.

“...porque eu disse esse nome no recreio e a professora me deixou de castigo.”

_ A exposição dos relatos, citam fatos do cotidiano, da família, bem como é forte a presença da oralidade.

“...quando eu crescer, não vou querer salário mínimo...”

_ Ainda está sob a tutela dos pais.

“ A minha amizade é muito pequena...”

_ Algumas informações levam a atitudes do cotidiano do aluno.,

“...não dá para comprar figurinhas.”

Grupo 02 – Comprovar que o texto não é um trabalho escolar, mas sim um artigo de opinião.

O Salário Mínimo – Jô Soares

        O texto lido não se trata de um exercício escolar por ser de um autor, apresentador e comediante bastante conhecido através dos meios de comunicação. Atualmente apresentador do programa “Jô Soares” ou seja, “Programa do Jô”.

        Jô Soares é um humorista que domina a linguagem culta empregada no texto, conhece os direitos constitucionais e é detector de muitas informações, podendo assim, argumentar de forma coerente sobre o tema em destaque. Seus textos são publicados em constantemente em revistas de circulação nacional.

       O autor usa uma linguagem infantil para satirizar o valor do salário mínimo que é irrisório; emprega alguns termos no diminutivo, linguagem característica da criança.

       Além de que, o suporte do artigo é a revista Veja, comprovando assim que fez uso do gênero didático para escrever um artigo de opinião.
(Oficina 06 TP 03 Unidades 12)


Image and video hosting by TinyPic

Atividades realizadas nas oficinas -Turma 02












Image and video hosting by TinyPic

Atividades relizadas nas oficinas - Turma 1




Image and video hosting by TinyPic

quinta-feira, setembro 10, 2009

terça-feira, setembro 08, 2009

Manhã Poética






sábado, setembro 05, 2009

FLORES



Image and video hosting by TinyPic